domingo, 26 de abril de 2009

As origens do Origami!

Origami é uma palavra de origem japonesa, formada por duas palavras:

A história do origami coincide com a história da invenção do papel.

Ts’ai Lun, servidor do Império Chinês, é considerado o inventor do papel, no início do séc. II d.C. O processo por ele concebido manteve-se em segredo durante cerca de 500 anos. Mas, em 610 d. C., é levado para o Japão, por missionários budistas. Em 751 d. C., aquando da queda da cidade Chinesa Samarkland nas mãos de soldados árabes, esta técnica viajou para a Pérsia, Arábia, Egito e Europa.

É no Japão, após algumas gerações, que o Origami se integrou na cultura japonesa. Foi no período Tokugawa, 1603-1867, que ocorreu a democratização do Origami, transformando-se em Arte e Cultura Japonesa. Este período viu emergir o tsuru (o grou) como Origami.

As origens do Origami perderam-se na memória do tempo mas hoje é quase certo que esta arte nasceu no Japão; a hipótese de que teria tido a sua origem na China, está quase desconsiderada. Desde o ano 1000 que são conhecidas referências às dobragens de papel no Japão; os japoneses transmitiram esta tradição de Ts'ai Lun de pais para filhos e as primeiras instruções escritas datam de 1797; o Kan no mado, uma colecção tradicional de figuras japonesas, foi publicada em 1845.

Os árabes deverão ter introduzido na Península algumas das dobragens mais simples. A primeira referência explícita, que se conhece na Europa, à arte de dobrar papel, data de 1737, em San Fernando (Cádiz) e é uma carta em que se fala de "... cometas, barcos, navios, pássaros, e outras muitas coisas, todas elas de papel..."

No século XVIII, na Europa, destaca-se Friedrich Fröbe, grande pedagogo, por incorporar no sistema educativo a tradição européia da papiroflexia (dobragem de papel). Foi na Exposição Universal de 1878, em Paris, que chegaram as primeiras figuras japonesas, unindo-se assim as tradições oriental e ocidental.

Na Espanha, um dos grandes impulsionadores da papiroflexia foi Miguel de Unamuno (1864-1931); Unamuno foi o primeiro homem de ciência que levou a sério esta arte: publicou um ensaio, Amor y Pedagogía, onde incluiu um apêndice acerca das dobragens de papel e discutiu por escrito o tema com Ortega y Gasset.

Esta arte estendeu-se pela América do Sul graças a Vicente Solórzano (1883-1970), amigo de Unamuno. Solórzano, natural de Burgos, fixou-se na Argentina em 1912 e foi autor de vários livros e de uma grande quantidade de figuras; definiu origami como uma ciência expressa com os dedos.

No Japão destaca-se Akira Yoshizawa, considerado o mais prolífico dos autores e inventor (juntamente com o norte-americano Sam Randlett) do sistema de símbolos que facilitou a divulgação dos diagramas de dobragens, ultrapassando a barreira da língua, e Tomoko Fuse que tem desenvolvido inúmeros esquemas na área do chamado origami modular.


Fonte: http://www.acmariofigueira.org.pt/index.php?option=com_content&task=blogcategory&id=88&Itemid=101

Um comentário:

THAMIRIS disse...

Oi Naná!!
Seja bem vinda os blogs origamisticos! hehe
Eu tbm estou nesse "mundo" a pouco tempo...
Adoraria compartilhar experiencias, dicas e sugestões em com vc!
Vou te adicionar na minha lista ok?!
Um grande abraço, e até o proximo post!